Não é necessário trabalhar com a hipocrisia ou com uma realidade inexistente por aqui, o uso de MDMA (bala, ecstasy, MD, Michael Douglas, Molly, dentre outros) já está tão difundido em todos os tipos de festas brasileiras que até mesmo a atual novela da Globo (Segundo Sol) resolveu colocar em seu roteiro o tema, mas claramente de uma forma exagerada e não tão educativa. Sendo assim, nós da Eletro Vibez acreditamos na divulgação de conhecimento e na redução de danos, e neste artigo você vai ter informações de sobra a respeito dessa substância.

Lembrando que a Eletro Vibez não tem a intenção de incentivar o uso de qualquer substância lícita ou ilícita. A finalidade deste artigo é somente a de disseminar informação e apoiar a importante redução de danos.

O que é o MDMA?

O MDMA, também conhecido como metilenodioximetanfetamina é uma das substâncias psicoativas recreativas mais populares do mundo. Comumente conhecida no Brasil como “bala” (quando vendida em comprimidos, geralmente misturado com outras substâncias) ou como MD (usualmente cristais). É uma substância conhecida por estimular a empatia, a euforia e por gerar vários efeitos estimulantes (aumento de energia, temperatura corporal, em alguns casos líbido, etc).

A substância se tornou notória ao longo dos últimos 20 anos por sua habilidade de produzir fortes sensações de conforto, empatia e conexão com outras pessoas. Por muito tempo foi considerada uma substância muito ligada a raves e festas de música eletrônica, porém, nos dias de hoje pode ser encontrada em festas de todos os tipos, além de ser utilizada em alguns países para fins terapêuticos, como um complemento da psicoterapia.

Como o MDMA funciona?

Resumidamente, o composto faz com que grandes quantidades de serotonina sejam acumuladas em seu cérebro. A serotonina é considerada o neurotransmissor responsável pela sensação de bem-estar e felicidade, razão pela qual são percebidas as sensações de empatia, felicidade, sociabilidade, além de influenciar diversos outros fatores corporais, como a temperatura (razão pela qual a temperatura corporal sobe durante o uso da “bala”).

Para quem quer saber de forma mais complexa a respeito do funcionamento da substância no cérebro, o site DanceSafe possui um texto excelente a respeito (em inglês).

Perigos que o MDMA pode trazer:

Pela razão da droga ter se tornado tão popular, principalmente em festas, sua demanda geralmente excede a oferta. Isso cria um ambiente ideal para que pessoas de má-índole vendam diversas outras substâncias passando-se por “bala”. Enquanto uma “bala” deveria possuir MDMA, elas são notórias por possuir outras substâncias como cafeína, efedrina, anfetaminas, MDA, MDE, DXM, PZP, 2cb, além de diversas outras substâncias que hoje são conhecidas como “research chemicals”, que são substâncias novas que podem ser adquiridas legalmente na maioria dos países, mas que trazem riscos principalmente pela falta de conhecimento a respeito.

Outro fator a ser levado em conta reside na quantidade a ser utilizada em uma noite, uma dose média para uma noite da substância (MDMA) é de 1.5 mg/kg, não passando da casa de 120 mg. Porém, os comprimidos que nos anos 90 e início dos anos 2000 possuíam em torno de 90 a 130 mg, hoje comumente contém de 180 a 250mg (as famosas “balas gringas”), havendo casos reportados de comprimidos contendo 450mg, dosagem que pode causar uma condição conhecida como síndrome de serotonina e outras diversas complicações que podem levar até a morte.

Além disso, o uso contínuo da substância em pequenos períodos de tempo pode levar a uma desregulação dos níveis de serotonina do cérebro, o que pode causar vários problemas relacionados à depressão por longos períodos, o recomendado é que o uso seja espaçado em períodos de no mínimo 1 mês, sendo o ideal uma vez a cada 3 meses (tempo reportado por muitos como o ideal até mesmo para não perder a “mágica”).

E como reduzir os danos causados pela droga?

Como já dito anteriormente, o MDMA não é uma substância livre de riscos, porém o uso de conhecimento aplicado e de práticas de redução de danos podem fazer com que seu uso seja mais seguro e prazeroso.

O primeiro e mais importante passo para uma maior segurança é o ato de realizar os testes para ter certeza que a substância que você possui não é um análogo, ou até mesmo algo completamente diferente do esperado. No Brasil, os testes de reagente são legais e podem ser encontrados para compra na Internet. Para o MDMA é indicada a combinação de alguns testes como “Marquis”, “Mecke”, “Mandelin”, “Simon”, etc, o teste é realizado com uma pequena quantidade da droga sendo separada (raspada da bala, ou uma pequena quantidade do cristal) e sendo exposta aos ácidos, o que vai fazer com que a mistura gere uma cor, que deverá ser observada junto da tabela referente ao teste que está sendo realizado. O ideal com esses testes, é fazer uma combinação, por exemplo do Marquis com o Simon, o Marquis para identificar a presença de MDXX (MDMA e suas variantes), feito isso e encontrado resultados positivos, usa-se o Simon para poder ter certeza que contém MDMA. Para se aprofundar no assunto é legal dar uma olhada nesse site aqui!

Importante: Lembre-se de utilizar luvas e manter o ácido longe de sua pele, rosto e roupas, um dos compostos do teste é o ácido sulfúrico, conhecido por ser extremamente corrosivo.

Após ter certeza que a substância que você possui é de fato MDMA, o próximo passo é preparar seu corpo para a experiência. Alguns estudos com ratos comprovam que o uso de certos suplementos podem reduzir ou prevenir a neurotoxicidade induzida pelo uso da droga. Algumas experiências de usuários de fóruns da internet descrevem até mesmo experiências mais vívidas além da redução da “ressaca” causada pela droga e, em alguns casos, até mesmo um afterglow.

  • Suplementos como Ácido Alfa-Lipóico, ALCAR, Vitamina-C, dentre outros foram relacionados à diminuição da neurotoxicidade.
  • O uso de bebidas isotônicas auxiliam na redução da condição conhecida como hiponatremia (diminuição excessiva do nível de sódio no organismo, o que faz com que nervos e músculos possam não funcionar corretamente).
  • O Magnésio pode ser relacionado à uma redução da sensação conhecida como “travar”, quando os músculos, geralmente da mandíbula ou mãos, ficam se contraindo.
  • Gengibre e Vitamina E são substâncias relacionadas à neuroproteção.
  • O extrato de chá verde e a substância 5-HTP são relacionadas à diminuição da ressaca causada pela droga. NOTA IMPORTANTE: existem relatos ligando o uso de 5-HTP junto do MDMA à síndrome de serotonina, a recomendação aqui é que seu uso seja feito somente após os efeitos da droga não estarem mais presentes.

As informações acima foram um resumo para dar uma noção do uso de suplementos, informações mais completas podem ser encontradas no site (em português) do RollSafe.

Não esquecendo que, durante o uso, mantenha sempre o corpo hidratado, mas também não abuse da água, existem casos reportados de pessoas que beberam tanta água que passaram por uma situação chamada de intoxicação por água, que pode levar até a morte.

E aí, a informação foi útil? Dê sua opinião no campo de comentários abaixo e também faça suas perguntas, vou fazer o meu melhor para encontrar as respostas necessárias 🙂

Caio Carvalho
Caio Carvalho
Mais um aficionado com as sensações que a música eletrônica podem criar no nosso corpo e alma e apaixonado por festivais e seu ambiente ♥

Comments

comments