Open/Close Menu feel the energy
[cn-social-icon selected_icons="1"]

Que o EDC é um dos maiores festivais dos Estados Unidos, disso temos certeza que você já sabe. Mas e como tudo começou? Pois bem, vem conosco que vamos contar cada detalhe desse festivalzão que, na verdade, teve início em 1991, quando o produtor Gary Richards e o DJ Steve “Kool-Aid” realizavam festas em galpões undergrounds.

É isso mesmo, muito antes das megas estruturas de mainstage, das rodas-gigantes e de toda a decoração iluminada e colorida que conhecemos, o Electric Daisy Carnival não era mais que uma festa no armazém. Em 1997, o co-fundador da Insomniac, Pasquale Rotella, deu continuidade aos eventos do DJ Steve para reestruturar a cena da dance music na Califórnia, e, despretensiosamente, a rave subterrânea mal equipada que existia, passou para uma experiência multimilionária que respira música eletrônica.

A primeira edição oficial do evento em formato de festival aconteceu em 1997, para cerca de 5.000 pessoas, no “Shrine Hall Expo”, um dos locais mais cobiçados para a realização de grandes eventos na epóca, em Los Angeles. A partir daí, o festival começou a ser realizado de forma itinerante, em várias cidades da Califórnia. Em 1999 aconteceu em Newberry Springs, em 2000 aconteceu na cidade de Tulare, também na Califórnia, em 2001 foi a vez da cidade de Hansen Dam receber o festival e, pela primeira vez, o evento contaria com 5 palcos simultâneos. Neste mesmo ano, o EDC fez a sua estreia na cidade de Austin, no Texas.

Os “Ravers” ou “headliners”, apelido criado por Pasquale Rotella ao público frequentador do EDC, viajavam para qualquer canto em que o festival era estabelecido, tudo isso em busca de boas vibez, o que fez com que a força do EDC crescesse cada ano mais!

Em 2002 o festival realizou duas edições, uma em Long Beach, na Califórnia, e outra novamente em Austin, Texas. De 2003 a 2006, o festival passou a acontecer somente em  San Bernardino, também na Califórnia. Em 2007 o EDC retornou a Los Angeles, e em 2009 inaugurou o formato de 2 dias de evento. No ano seguinte, em 2010, o festival recebeu cerca de 55 mil pessoas, ultrapassando expectativas.

Mas foi em 2011 que o EDC ficou como conhecemos atualmente: 3 dias de festas, 6 palcos e acontecendo oficialmente em Las Vegas, Nevada. O evento foi realizado no Las Vegas Motor Speedway de 24 a 26 de junho e recebeu cerca de 230.000 pessoas para fazer vibez ao som de mais de 150 atrações, e logo em 2012, o festival atingiu a marca de 320 mil participantes, porém, devido a fortes rajadas de ventos, acabou tendo um dia encerrado mais cedo e com o cancelamento de apresentações.

Já em 2013 o EDC conquistou uma grande marca em sua história, por montar o maior palco de festival, o Kinetic Field. De acordo com a descrição da Mountain Production (empresa responsável pelo projeto do palco), se você colocasse todos os andaimes usados ​​para o palco principal de ponta a ponta, ele teria mais de 80 km, “o palco foi construído para resistir a ventos de 144 km\h com todos os equipamentos instalados” para que não houvesse acidentes como no EDC 2012 no segundo dia.

Em 2014 o festival seguiu superando expectativas, e prova disso foi a venda de ingressos esgotados em cerca de 1 hora. Tudo isso para ver nomes como Avicii, Tiësto, Calvin Harris, Afrojack, Kaskade, Paul Oakenfold, Bassnectar, Above & Beyond, Chromeo, Diplo, Carl Cox, Steve Aoki, Knife Party, Infected Mushroom, Benny Benassi, Alesso,Dillon Francis, Kill the Noise, Krewella, Laidback Luke e muito mais, nas grandiosas estruturas do festival, em Las Vegas.

Atraindo mais de 400 mil pessoas na edição de 2015, segundo um relatório financeiro, o evento criou US $ 141,3 milhões em aumento da renda do trabalho para os funcionários do condado de Clark, bem como mais de 3.270 empregos em tempo integral. O festival que já tinha passado por Texas, além de Colorado e Porto Rico, 2015 estava prestes a realizar um novo grande marco: uma edição no Brasil!

O primeiro EDC na América do Sul aconteceu nos dias 4 e 5 de dezembro, em São Paulo. O EDC Brasil, hoje no coração dos apaixonados por música eletrônica, infelizmente só contou com uma edição, mas que ficou eternizada na memória de muitos, pois trouxe grandes nomes como: Tiësto, Martin Garrix, Skrillex e KSHMR, e uma magia indescritível.

O Electric Daisy Carnival de 2016 celebrou 20 anos de história, com mais de 400.000 pessoas durante os 3 dias, e um fato que marcou a comemoração, foi a onda de calor que invadiu Las Vegas, a previsão do tempo registrou que a temperatura foi de 36° (sexta-feira), 39° (sábado) e 42° (domingo), a galera fritou literalmente! O EDC de 2017 bateu a marca de 136 mil pessoas só na primeira noite, fazendo dele o festival com maior público nos EUA.

Devido às duas edições com muitos atendimentos médicos causados pela alta temperatura em 2016 e 2017, a edição de 2018 ficou marcada por mais uma grande mudança: o festival aconteceria no mês de maio, ao invés de junho, e a partir deste ano, com espaço dedicado à área de camping.

Para os “headliners”, ir para a EDC não é sobre o preço, a localização ou até mesmo quais DJs preenchem a programação. O EDC é sobre paz, amor, união e respeito!

Electric Daisy Carnival facts:

  • Comumente, o festival acontece na parte da noite, de 6 da tarde até às 6 da manhã, para se aproveitar melhor a experiência que a incrível iluminação do evento proporciona.
  • Atualmente a Insomnic realiza o EDC em: Orlando, Las Vegas, México, Japão e China;
  • O nome do festival, Electric Daisy Carnival, é realmente inspirado nas festas carnavalescas e, por isso, é comum ver carros tipos alegóricos pelo festival, além de gente fantasiada;
  • É possível se casar dentro do EDC Las Vegas, pois existe uma capela feita especialmente para isso;
  • Existe um palco itinerante dentro do festival, o Boombox Art Car, que fica passeando pelo festival. Este palco é exclusivo para novos DJs da região;
  • Atualmente o EDC Las Vegas conta com 8 palcos, incluindo o mainstage;
  • As vertentes musicais mais tocadas no EDC são: big room, trance, house, techno, dubstep, bass house, drum & bass, trap e hardstyle;
  • A Insomnic lançou, em 2014, um documentário mostrando mais sobre os bastidores do festival, chamado de Under the Electric Sky. Assista aqui!

Comments

comments