A retomada da série “Shark on Street” marca o retorno dos grandes shows ao redor do planeta

Última atualização:

Foi difícil pensar durante a pandemia que as coisas um dia voltariam ao normal, ou de um jeito parecido com o que era antes. Há pelo menos três anos atrás, nunca imaginaríamos que a humanidade passaria por uma epidemia em escala global, mesmo com toda a modernização da ciência e tecnologia.

A humanidade foi posta a prova e a forma de viver em sociedade também mudou.  Após um ano turbulento, muitas adaptações e reeducação da população global, a série “Shark On Street” está de volta com novos episódios, marcando a retomada dos eventos e grandes shows ao redor do planeta.

O primeiro episódio da série foi gravado antes da pandemia do coronavírus. Um fato curioso é que o segundo episódio da série, marca justamente a volta dos shows ainda fora do Brasil, após um longo período de reclusão, pois a vacinação tardia da população no nosso país fez com que o setor de eventos fosse o último a voltar.

O segundo episódio ou “primeiro episódio após a pandemia” se passa durante a turnê do artista nos Estados Unidos em Março deste ano. Victor Lou foi o primeiro artista brasileiro a se apresentar em show fora do país, obedecendo todas as normas de segurança impostas. 

De acordo com o artista, esse retorno teve um peso diferente depois de um período turbulento:

A volta foi especial para mim. Eu praticamente re-aprendi a tocar depois de tanto tempo longe das pistas. Na rotina dos shows, muitas vezes a gente sente engessado. Nessa volta, depois de um ano parado, eu não sabia nem com qual música abrir, então eu abria com músicas diferentes, porque eram públicos diferentes. Foi como uma espécie de culto para mim, eu senti que a energia que eu estava buscando dentro de casa, produzindo, perdida durante esse tempo, ia voltando para mim enquanto eu ia tocando as músicas que eu produzi. Lá no palco tocando, tudo voltou a fazer sentido.”

Lotando todos os shows onde passou, o produtor goiano notou uma pequena diferença entre as cenas do país norte americano e seus fãs no Brasil:

O público dos Estados Unidos não é muito diferente do Brasil. Vou dar um exemplo; na época que eu estava em turnê, eu havia acabado de lançar a “Diu Diu Lai” com Mochakk. Foi a música mais pedida durante a turnê, diferente aqui no Brasil que as pessoas já conhecem meu som e já foram mais de uma vez nos meus shows. Lá, quase todas as músicas foram como se eles estivessem conhecendo pela primeira vez, então foi bem especial depois de todo esse tempo longe surpreender os fãs. O legal é que todos os shows que fiz esgotaram.” completa o DJ goiano. 

Embarcando nessa retomada a ideia de dar continuidade ao projeto Shark On Street tem como objetivo trazer os fãs do projeto para mais perto do artista e mostrar a pluriculturalidade entre os locais que o artista realiza seus shows: “Os vídeos do “SOS” estão muito fodas na minha opinião. O meu preferido é o de Las Vegas. Acho que a galera pode esperar conteúdos muito diferentes e foi tudo pensando nos fãs do projeto Victor Lou, feito com muito amor, carinho e verdade.” finaliza Victor Lou 

QUARENTENA NO MÉXICO E PRIMEIRO ARTISTA A SE APRESENTAR FORA DO BRASIL

Antes de estarem aptos a embarcar para o país norte-americano, Victor Lou e sua equipe precisaram passar 15 dias no México cumprindo quarentena para poder viajar. Certificando que estavam sem o vírus e realizando diversos testes de PCR e antígeno antes de embarcar para solo norte americano, o artista pode seguir para a sua turnê de um mês em solo americano. 

Victor Lou foi o primeiro brasileiro a realizar uma turnê internacional após o período de vacinação e liberação dos shows:

Observamos essa abertura gradual de shows nos Estados Unidos. Lugares como Miami e Orlando, os jovens já estão vacinados, o que possibilita a realização de eventos. Se compararmos ao Brasil, vemos uma diferença e um atraso em relação a essa parte.” completa Victor Lou.

De acordo com o empresário do artista, Douglas Assis, ter a visão de ser pioneiro nesse movimento se deve a um bom relacionamento semeado ainda durante a pandemia:

O segredo é ter bom relacionamento com as pessoas, o poder de um bom networking te leva para patamares mais altos. E de forma transparente e verdadeira, você consegue conquistar um nível de confiança extremamente maduro. Foi por causa disso que fomos a primeira equipe e artista do Brasil a realizar uma turnê internacional.” completa o empresário. 

Ainda segundo o Douglas Assis, faltaram algumas cidades a serem incluídas na vasta lista de cidades a receber o artista, por conta disso, o empresário adiantou que nos próximos meses o artista goiano Victor Lou volta aos Estados Unidos para sua terceira turnê no país. 

SEGUNDA TURNÊ NOS ESTADOS UNIDOS DENTRO DE UM ANO

O artista realizou sete apresentações em três cidades diferentes. Victor Lou fez dois shows em Orlando (Flórida), dois em Miami (Flórida), um em Newark (cidade vizinha a Nova York), um em Barstow (Califórnia) e um em San Francisco (California). Além das apresentações, Victor Lou também passou pelas cidades de Nova York, Los Angeles e Las Vegas para conhecer, pois o turismo nos Estados Unidos já está quase operando normalmente. 

O DJ já possui uma grande base de fãs no país norte-americano. Fazendo turnê pela segunda vez no país em pouco mais de um ano, o artista esgotou todos os seus shows e é muito bem recebido pelo público. Um presente de um fã durante esta turnê chamou a atenção de todos e foi recebido com muito carinho pelo artista – o fã pintou um quadro com o rosto do artista em tela e o presenteou. (vídeo dentro do material)

Conquistando um grande público no país norte-americano, sem dúvidas o DJ é um dos que mais desponta na gringa e está criando uma enorme legião de fãs. Nesta turnê de Abril ele realizou sete shows, todos esgotados. O empresário do artista, Douglas Assis, está criando essa proximidade com o público lá fora e está indo para sua quarta turnê no exterior: 

A primeira foi na Rússia, em 2018, durante a Copa do Mundo. Foi uma experiência marcante e memorável. Já as últimas duas turnês foram nos Estados Unidos. Por ter sido na retomada dos eventos a recepção foi até maior, lotamos todos os lugares que passamos.” finaliza o empresário catarinense.