Batemos um papo com Class Sick e BMAGE sobre essa parceria que tem dado muito certo

Última atualização:

Seus caminhos se cruzaram casualmente, em uma conversa ou outra nas redes sociais, e quando se deram conta já estavam fazendo sua primeira apresentação juntos, dentro de uma chalana, em Cuiabá.

Class Sick e BMAGE são dois jovens produtores brasileiros que nos últimos meses têm se destacado pelos fortíssimos suportes que estão recebendo, de nomes como Michael Bibi, Dennis Cruz, Marco Carola e Mochakk, e performances em B2B com fama de arrebatadoras. 

Nesta sexta-feira (23), disponibilizaram um desses sets em vídeo, 100% autoral, gravado no after de uma gig em São Paulo – assista aqui. Além dessa, outra novidade importante vem chegando por aí para a dupla. No dia 14 de janeiro, Class Sick e BMAGE abrem a pista para um dos expoentes do Tech House nacional mais quentes do momento – Classmatic

Para saber mais sobre esse e outros destaques dessa parceria que tem se mostrado pra lá de prolífica, batemos um papo com a dupla. Confira! 

Olá, pessoal! Prazer conversar com vocês. Primeiro de tudo, queremos saber mais sobre como vocês se conheceram e quando começou a rolar essa conexão musical entre vocês?

BMAGE: Eu já seguia o Class Sick no Instagram e na pandemia vi que ele estava dando umas aulas, aí resolvi conversar com ele sobre. Fizemos a primeira aula e fluiu muito bem, as ideias batiam bastante.

Class Sick: Ele já tinha uma sonoridade bem madura na época, aí ainda surgiu a oportunidade de ir tocar num evento em que ele também estava no line e o santo bateu ainda mais! Hoje considero ele e a família dele minha família!

Os dois têm feito muitos B2Bs, especialmente em afters, e o negócio tem bombado! Inclusive, um deles teve a presença do Duarte. Certo? Contem um pouco dessas experiências pra gente. 

R: Foi, bateu muito bem a parceria! A primeira vez que a gente tocou junto foi em um evento privado em uma chácara em Cuiabá, ali já deu certo de primeira, tocamos por umas 4 horas, foi o teste de fogo, heheheh. A partir dali rolaram inúmeras vezes,inclusive tocamos na Nuun Garden, após a festa do Mochakk e foi homérico, até hoje temos saudades daquele role!

A última vez que tocamos juntos foi naquele after depois da Cat City com o Duarte, depois de toda boa festa, tem que ter um bom after, e esse foi outro inesquecível. Foi um aniversário de um grande amigo nosso de Cuiabá, a propósito, foi irada a passagem do Duarte por lá, tenho certeza que foi marcante pra ele também!

Falando em B2B, vocês acabaram de disponibilizar um videoset de um deles. Onde foi gravado esse role? Como estava a energia da galera?

Po, esse set foi insano, após termos voltado de um evento em São Paulo, fomos pra casa, e como bons afterzeiros que somos (hehehe) decidimos fazer um cenário e gravar um set com os nossos amigos que estavam por ali, a ideia surgiu do nada no dia, e acabou que ficou homérico, a galera não sabe brincar (hahaha). O set aconteceu na Chácara Moinho dos Ventos interior de São Paulo, fizemos uma bela seleção de tracks autorais, e o resultado superou nossas expectativas, somos viciados nesse set até hoje, a vibe estava incrível!

O set é 100% autoral. Quais vocês sentem que foram as tracks favoritas do setlist? 

Todas são muito especiais de fato, escolhemos tracks que nos representam de verdade, mas sempre tem uma ou outra preferida. O edit da “In The Dark”, por exemplo, me fez criar ótimas amizades que chegaram por mim através dessa música.

E tem uma collab nossa também, que até hoje ficamos de cara de como fizemos ela haha é um minimal bastante mental e bem marcante, sempre que tocamos ela a pista reage de inúmeras formas diferentes.Também tem a “Freak Like Me” do Class Sick, que tem ganhado cada vez mais suportes ao redor do mundo, recentemente o Mochakk tocou ela em um B2B com o Gabe, e ela nao sai do pendrive do Michael Bibi e do Dennis Cruz (hehehe).

Ficamos sabendo que vocês também estão confirmados em uma festa da Cat City, com o Classmatic. Nos contem mais sobre esse rolê! 

Estamos bem ansiosos pra essa festa, vai acontecer no dia 14 de janeiro, vamos tocar um B2B e fazer um warm up saboroso pro nosso amigo Classmatic, esperamos carregar ele pro after também! Ele tem que ter a experiência completa do rolê (hehe). Agora falando sério, temos muito respeito e admiração pelo Fred e pelo que ele tem feito pela cena, esperamos entregar o nosso melhor nesse set, pra que ele entre se sentindo realmente em casa! 

Para finalizar, Class Sick, em janeiro você lança um EP, que também conta com a participação do BMAGE. Essa é a primeira produção que vocês fazem juntos? Como foi desenvolver essa collab? Obrigada!

Essa na verdade é a última track que fizemos em colaboração, ela se chama “Deception” e tem uma roupagem bem moderna e atmosférica, algo bem diferente do que tem tocado nas pistas brasileiras, mas é uma tendência na Europa.

O EP em geral tem um quê europeu, mas pensado pras pistas quentes do Brasil. A ideia surgiu do BMAGE, ele chegou com uma track que fez após ouvir um set do Just2, daí foi amor à primeira vista, já mexi nela, e terminamos no mesmo dia, coincidentemente foi na segunda feira, após a última Cat City. A gente tem curtido bastante esse estilo, minimal meio modular, acredito que faltam tracks assim de modo geral. Valeu pelo papo galera!

Acompanhe Class Sick e BMAGE no Instagram.