Entendendo o Detroit Techno

Com o avanço da tecnologia, tudo se tornou mais fácil, tanto a produção quanto para o consumo de música, o que acarretou em um certo esquecimento sobre suas origens e a essência por trás da arte. 

Além de ser um meio de entretenimento, a música tem um importante papel social, dando voz aos mais oprimidos. Em meio ao caos vivido atualmente, resolvemos relembrar a origem do Techno de Detroit, que vem se consolidando entre o gosto dos brasileiros, que foi criado por negros.

Detroit era uma cidade próspera na década de 1950, devido à sua indústria automobilística, mas logo após um tempo difícil de crise, as fábricas começaram a fechar e a recessão bateu na porta de muitos, o que gerou um aumento significativo de desemprego. 

Apesar do declínio constante e prolongado da cidade, o rádio local e uma cena ativa de clubes conseguiram conectar comunidades, especialmente a comunidade negra, criando assim a plataforma para o surgimento do Techno de Detroit.

O som da música em si, refletia o declínio econômico da cidade através de uma estética maquinaria – criando sons incomuns que definiriam como “o motor da cidade”, reproduzindo os ruídos robóticos das fábricas de automóveis.

Tudo começou nos anos 80 em Detroit, no centro-oeste do estado de Michigan, onde Ken Collier organizava festas de Disco com influência de estações de rádio e DJs locais como “Electrifying Mojo” e “The Wizard” a.k.a Jeff Mills, outros artistas conhecidos com visões musicais progressivas foram Juan Atkins, Derrick May e Kevin Saunderson, conhecidos como “The Belleville Three”, assim como Eddie Fowlkes.

The Belleville Three

Derrick May comparou a evolução do som a “George Clinton encontrando o Kraftwerk em um elevador”. Artistas, músicos e produtores gravitaram para a Gratoit Avenue, que abrigava o escritório, o estúdio e a casa de Kevin Saunderson. 

Derrick May morava no andar de cima e Juan Atkins ao lado, criando um ambiente fluido de troca e experimentação. O trio cresceu ouvindo uma mistura eclética de Yellow Magic Orchestra, Kraftwerk, Bootsy, Parliament, Prince, Depeche Mode, and The B-52’s. Juan Atkins foi inspirado a comprar um sintetizador ouvindo “Parliament” e também foi o primeiro a mixar.

Sob o nome de “Deep Space Soundworks” Derrick May e Juan Atkins formaram um dupla, tocando no circuito de festas de Detroit.

Individualmente ficaram conhecidos, Juan Atkins (The Originator/O Criador), Derrick May (The Innovator/O Inovador) e Kevin Saunderson (The Elevator/O Elevador).

Techno! The New Dance Sound of Detroit

A primeira onda do Techno de Detroit atingiu o pico em 1988-89, com a popularidade de artistas como Derrick May, Kevin Saunderson, Blake Baxter e Chez Damier, além de clubes como St. Andrews Hall, Majestic Theatre, The Shelter e Music Institute.

Ao mesmo tempo, enquanto a grande massa norte americana não abraçava o som, o Techno chamou atenção no Reino Unido e em meados de 1988 foi lançada uma compilação que ficou conhecida como “Techno! The New Dance Sound of Detroit”. A explosão do interesse pela dance music nos anos 80, concretizou o Techno como um gênero musical.

A Segunda Onda

O fenômeno do Techno na Europa, introduziu uma segunda onda de DJs e produtores no som, incluindo Jeff Mills, Carl Craig, Richie Hawtin e Kenny Larkin. Juntamente com a influência da Chicago House e da música eletrônica minimalista européia, nasceu uma nova geração.

Colaborações no exterior com organizações em Berlim foram estabelecidas devido aos paralelos pós-industriais, sociais e arquitetônicos entre as duas cidades. O clube Tresor era o símbolo dessa união, convidando os produtores de Detroit a tocar e lançar sua música. 

No entanto, esse amplo abraço internacional também correu o risco de diluir o movimento. A gravadora Underground Resistance foi fundada em 1989 para desafiar a indústria comercial de entretenimento convencional e também restabelecer a autenticidade do Techno de Detroit, que havia incorporado elementos europeus.

Tracks Marcantes

Jeff Mills – The Bells

Kevin Saunderson – Good Life

Juan Atkins – Clear

Derrick May – Strings of Life

Carl Craig – Throw

Juan Atkins – Techno City

Kevin Saunderson – Big Fun

Derrick May – Nude Photo

Juan Atkins – No UFO’s

Faça parte do Vibez Club!
Você é apaixonado por música eletrônica? Então cadastre-se e faça parte do nosso club exclusivo de vantagens, e tenha a chance de ganhar nossos produtos, lançamentos exclusivos, ingressos e mais!