FEITOZA dj entrevista Pequenos passos para um sonho gigante scaled
Na foto: FEITOZA via divulgação

FEITOZA: Pequenos passos para um sonho gigante

Última atualização:

Simplicidade, vontade de fazer acontecer e sonhos. Estes são alguns dos pilares que guiam o jovem DJ e produtor FEITOZA rumo à conquista dos seus objetivos. Crescido em uma pequena cidade do estado de São Paulo, ele agora expande sua visão e deseja deixar sua marca em outros lugares. 

Ele deu start na carreira em 2017, dividiu o palco com algumas de suas grandes referências nacionais como Victor Lou, Visage e DJ Glen, mas foi apenas neste ano que ele realizou aquele movimento que dá um frio na barriga de todo produtor: o lançamento de sua primeira música autoral. 

“ID” saiu em julho pela No Topo Music, na sequência veio “To Far” pela Abstract Channel e “I Keep” novamente pela No Topo, produções que receberam feedbacks positivos de  Antdot, JØRD, Cevith e FlexB. Nos falamos com ele sobre como tem sido essa caminhada artística até aqui e o que ele projeta para o futuro:

Você se lembra quando foi o seu primeiro contato com a música eletrônica?

Me lembro sim, na quarta série, pegava a van para a escola, já colocava músicas de EDM nos fones e ouvia até chegar na sala. 

E o que te levou a criar o projeto FEITOZA (BR) de fato? Você teve o apoio da família ou dos amigos?

Não tive um motivo específico, comecei a trabalhar em formaturas como DJ, logo  comecei a conhecer o mercado da música eletrônica, aí foram aparecendo algumas gigs e criei o projeto GUI FEITOZA pela necessidade de uma marca. Depois comecei a querer fazer minhas próprias músicas, e no começo de 2020 participei da NOMMAD Meetings onde conheci o Maurício Angelo da UAM Management, e decidimos usar o projeto como FEITOZA (BR). Sempre tive o apoio da minha família, no começo foi um pouco difícil, mas hoje em dia eles super me apoiam!

Hoje podemos dizer que a cena eletrônica brasileira está bombando… em quem você se inspira?

Não tenho uma Inspiração só, o que mais me movimenta e me dá vontade de crescer e ver que todo mundo pode chegar lá, tanto os artistas que são consolidados com suas atitudes dentro de seus projetos, quanto os que já estão no meio do percurso. Tudo que eu acho que me agrega, eu uso para o meu projeto, sempre com o apoio e orientação do Maurício. 

Um pouco disso você mostra na Tech Toma, né? Sua playlist do Spotify. Quais são os critérios para colocar novos sons lá? O que você geralmente observa nas músicas?

Sim, dentro da playlist sigo uma linha de Tech House e House mais energético, com bastante groove, porém nada de me impende se colocar algo mais reto e melancólico, são músicas que gosto de ouvir e tocar! Geralmente olha mais a energia e o sentimento que a música me passa…

Já nas suas produções a gente percebe um Tech House com linhas melódicas e progressivas, além da presença dos vocais. Essa é a combinação ideal pro seu som?

Acredito que sim, porém não gosto de me sentir preso, levo essa base como identidade, mais sinto que devo ir pelo que meu coração quer falar em cada música. Porém, em todas minhas tracks, gosto de trazer melodia, vocal e basslines bem marcantes.  

E você tem uma rotina musical estabelecida? Como funciona seu fluxo e como é o seu dia a dia na prática?

Hoje em dia ainda tenho um trabalho físico, que me toma muito tempo do dia, então acabo tendo que tirar meus horários extras para fazer música, estudar e trabalhar no projeto. Normalmente, acaba sendo uns cinco dias de domingo a domingo, pois o restante me dedico a minha mulher e filha! 

Qual a mensagem ou expressão que você deseja passar com a sua música?

Meu maior objetivo é levar uma energia positiva para as pessoas através da música, simples assim. 

E o que a galera que te acompanha pode esperar daqui pra frente? Quais são suas metas para 2021?

Estamos trabalhando bastante, criando várias parcerias. Temos algumas labels que queremos fazer lançamentos, alguns clubs e eventos que queremos entrar, e muita música nova, com vocais originais, tracks diferentes, confesso que será uma surpresa até para mim [risos]. 

Se a pandemia não fosse uma realidade e você pudesse estar em um lugar que faz parte dos seus sonhos, neste exato momento, qual lugar seria? 

Tocando em todos os eventos e clubs que tenho como objetivo, vendo a galera se divertindo, dançando.

CONTINUE CONECTADO COM O FEITOZA: FACEBOOK | INSTAGRAM | SOUNDCLOUD