História da Dance e Disco Music

Como o próprio nome sugere, o principal objetivo da Dance Music é criar uma atmosfera para a dança e, embora seus diversos gêneros musicais pareçam novos, eles surgiram em meados dos anos 70, desenvolvendo-se ao longo dos anos como um símbolo da cultura contemporânea. 

Por décadas, a indústria da música vem fornecendo música eletrônica carregada de energia, e antes de reconhecermos os ambientes que tocam esta sonoridade, como festas “raves” como fazemos hoje, simplesmente chamávamos de discotecas.

A música Disco é parte da história contínua da Dance Music Eletrônica, que evoluiu para outra coisa, em vez de terminar e ser apenas uma fase no início dos anos 80. Neste artigo, vamos descobrir tudo sobre a Dance Music e como a música Disco mudou o mundo:

Anos 60 – O Começo De Tudo 

A música e a cultura discoteca se desenvolveram em vários países da América do Norte e na Europa, no final da década de 1960. A cidade de Nova York era um local particularmente exuberante para a discoteca. No entanto, lugares como Paris, Berlim e muitas outras cidades também tiveram seu papel profundamente importante quando se trata de música Disco.

Na Europa, a música Disco tem um som visivelmente eletrônico que vem de grupos como Tangerine Dream e Kraftwerk. E nos Estados Unidos, a música Disco tem mais vibrações Funk, Soul, Blues e R&B, além de ter laços estreitos evidentes com a comunidade afro-americana da cultura LGBT. E em algum momento, mesmo que pareçam completamente diferentes, as discotecas europeias e americanas acabaram se influenciando, enquanto também se moviam em caminhos diferentes.

Era uma era definida pelo movimento de batida dos anos 1950. O Rock N Roll, é claro, teve seu apogeu com alguns de seus principais artistas se dividindo em sons de dança mais experimentais. Você pode contar com nomes como Jefferson Airplane, Jimi Hendrix e The Doors, para citar alguns.

Anos 70 – o Nascimento da Disco Music

Indiscutivelmente uma das décadas mais importantes da Dance Music. Era um terreno fértil para a experimentação de muitos novos sons. Este foi o começo de grandes sucessos do Funk e mais importante, do Disco. 

Os sintetizadores Moog criados no final dos anos 60 começaram a se tornar uma das principais facetas da música dançante. Houve uma evolução natural e uma mistura entre vários gêneros de dança.

Foi então nessa década que surgiu o Disco. A palavra vem de discoteca. Este termo faz todo o sentido, porque o clube de dança atuava como um local para interação social que influenciava diretamente na música Disco. 

Durante esse período, pequenos clubes e espaços de festas particulares na cidade de Nova York e Berlim, com um bom sistema de som e que poderiam contratar DJs experientes, preferiam sediar DJs em suas festas noturnas ao invés de contratar uma banda ao vivo.

Na cidade de Nova York, esse tipo de discoteca era vital para a comunidade LGBT, porque precisava de um espaço livre de violência, julgamento e assédio. Essas discotecas eram tão importantes quanto a música que emergia desses espaços.

Estrelas do Disco como Bee Gees, Abba e Gloria Gaynor, experimentaram um enorme sucesso ao longo dos anos 70, isso também trouxe música de discoteca para fora dos clubes e para as paradas de rádio.

Nos Estados Unidos, a Disco emergiu rapidamente, desfrutou de seu sucesso e logo saiu de moda. Mas por outro lado, a Disco nunca experimentou a perda abrupta de popularidade, se transformou em outros gêneros, como Synth-pop, Disco Italo e, eventualmente, House e Techno.

Anos 80 – O Pós Disco e o Surgimento do Synth-Pop 

A década começa com o surgimento de um novo gênero que é a Synth Music, ou Synth-Pop, que foi desenvolvido juntamente com a House Music e a Electro Music durante a era “Pós-Disco” nos anos 80. 

As músicas dessa época começaram a ser conhecidas e produzidas na indústria musical tradicional na Europa, à medida novos aparatos para produção musical foram surgindo. Baterias eletrônicas e sintetizadores foram usados ​​com mais força depois dos dias da discoteca, mas esses fabricantes de música eletrônica se uniram a inovações como MIDI, que revolucionaram a maneira como os instrumentos eletrônicos podiam se comunicar. 

Combinada com o uso de computadores, a música eletrônica decolou como uma forma de arte acessível que poderia ser replicada e transformada por qualquer pessoa com experiência musical. As músicas produzidas durante esse período incluem sucessos como o “Take On Me” do A-ha e “Pump Up The Jam” do Technotronic.

Anos 90 – O House e o Techno começam a ganhar força

Como você pode ver nas últimas décadas, a música popular, leia-se Pop, e a Dance Music, sempre se misturavam. A cena underground do House e do Techno começou a surgir durante essa década, seguidos do que agora conhecemos como Trance. 

Nos anos 90, na Europa, o que vemos hoje estava se tornando comum. Festivais ao ar livre e boates foram grandes sucessos em todo o cenário europeu. Você só tinha que ir à Ibiza para ver onde estava a festa. 

Foi nessa década que a House Music havia se espalhado internacionalmente e era um dos gêneros mais populares no Reino Unido e em toda Europa, especialmente entre os jovens. 

Raves chamavam a atenção das autoridades locais e a polícia frequentemente fechava essas reuniões devido ao uso ilegal de armazéns e locais industriais e ao uso excessivo de drogas pelos participantes. 

À medida que a House Music se espalhava pelo mundo, ela se misturava com o mainstream e, eventualmente, se destacava com a indústria do entretenimento legal, ou seja, bares, clubes e festivais agora serviam aos fãs de House Music na Europa e, posteriormente, nos EUA. Foi nessa década que começaram a surgir nomes hoje já consagrados como The Chemical Brothers, Fatboy Slim e The Prodigy.

Anos 2000 até a era atual – A Dance Music torna-se um Gênero Global

A Dance Music, apesar de ter se modificado muito desde o seu início, acabou ganhando popularidade, mesmo que misturada à outras sonoridades e sendo chamada por outros nomes. Mas foi a partir daí que começamos a ver produtores como Tiësto, Daft Punk e David Guetta, se solidificarem na indústria musical tradicional e desde então ainda permanecerem no topo das paradas. 

Produtores e promotores de eventos perceberam que os DJs poderiam gerar lucros maiores do que os músicos tradicionais. Os festivais ao ar livre, como a Tomorrowland e o Electric Daisy Carnival, surgiram enfatizando experiências visuais, como efeitos de vídeo e iluminação. Nomes importantes como Avicii e Swedish House Mafia estavam realizando turnês em grandes arenas, em vez de apenas em boates. O som tornou-se fortemente influenciado por eventos ao vivo. 

E por volta de 2010, quando o termo “EDM” (Electronic Dance Music) entrou em evidência para abranger todos os gêneros e subgêneros da Dance Music, servindo para mencionar desde House Music, incluindo o Trance, Big Room, Future House, Dubstep, Progressive House e o que mais surgir por aí, o estilo tornou-se um gênero global.

Exemplificando, temos o Ultra Music Festival, que há 20 anos é uma meca da Dance Music em Miami e agora organiza festivais em diversos países como: Croácia, Austrália, África do Sul, Tailândia e muitos outros. 

DJs como Calvin Harris, Marshmello e a dupla The Chainsmokers arrecadaram cerca de US$ 40 milhões cada em 2019, de acordo com a Forbes. Juntamente com inúmeros festivais em todo o mundo e suas próprias turnês globais, esses DJs recebem milhões para ter uma residência em uma grande boate em Las Vegas ou em um paraíso da música eletrônica, que é Ibiza.

Hoje, a Dance Music é caracterizada por remixes e mixagens sonoras originais, produzidas por DJs, sejam eles famosos ou não. Dito isso, a Dance Music e seus subgêneros são usados ​​inclusive por muitos artistas do Pop e Hip-hop, como Coldplay, Justin Bieber, Drake, Taylor Swift, Katy Perry e muitos outros. Com isso, muitos novos DJs e produtores estão surgindo todos os dias. 

Por fim, ao traçar a história da Disco Music e Dance Music, caímos no House e Techno ou do que hoje chamamos de EDM, ou seja, nos pilares da música eletrônica. Hoje, a influência da Disco se perdura e pode ser sentida em tudo, da música de vanguarda à música pop, tornando figura importante na criação da Dance Music atual. 

Faça parte do Vibez Club!
Você é apaixonado por música eletrônica? Então cadastre-se e faça parte do nosso club exclusivo de vantagens, e tenha a chance de ganhar nossos produtos, lançamentos exclusivos, ingressos e mais!