Off the stage O que faz um Booker Jana Matheus Explica
Off the stage O que faz um Booker Jana Matheus Explica

Off the stage: O que faz um Booker? Jana Matheus Explica!

A Off the stage conta sobre vida fora dos palcos de personalidades da indústria da música eletrônica e, nessa quarentena, vamos te apresentar quais os profissionais que fazem parte da equipe de um artista e todo processo até ele chegar no stage. 

Na entrevista de hoje você vai entender melhor a função de um Booker e conhecer uma grande profissional deste setor. 

Já ouviu falar dessa profissão? Se ainda não ouviu, se liga na entrevista que fizemos com a Jana Matheus, Booker fundadora da Jam Bookings, e neste bate-papo ela abriu o jogo e contou pra Eletro Vibez mais sobre os desafios dessa profissão.

Jana, no seu ponto de vista, qual a importância de uma agência de bookings na vida de um artista?

Jana: Acredito que ajuda o DJ a ter mais segurança, confiança e passa a ter mais credibilidade e valorização no mercado. 

O DJ não pode ser o cara chato que cobra contrato,  que cobra cachê, que cobra rider, nem o cara que resolve os perrengues de logística ou pagamento. O DJ tem que ser o “gente boa”, tem que focar na carreira, nas produções e deixar que uma equipe cuide de tudo.

Além disso, a agência já tem os contatos necessários para ajudar o DJ a girar pelo Brasil e alcançar voos maiores.

Mas se não tiver uma agência porque ainda não é o momento, diria para arrumar alguém que ame a noite, que ame música eletrônica e que seja da sua confiança para assumir a parte burocrática do projeto.

E qual é o papel dessa agência, o que ela faz e o que ela não faz?  

Jana: Cuida de toda a parte burocrática que engloba desde as abordagens aos contratantes (agência já tem um vasto  mailing), negociação, valor do cachê, contrato, logística,  hospedagem , aprovação do flyer, divulgação do flyer, aprovação dos horários e  algumas fazem também o management: planejamento estratégico,  gerenciamento de carreira e até  passam a cuidar das redes sociais, investimentos,  lançamentos,  gravadoras e etc.

Ah… mas respondendo a pergunta, “o que a agência não faz?”, eu respondo: agência não faz milagre!

A agência procura o artista ou o artista é quem deve procurar uma agência?  

Jana: Pra mim não existe uma regra, mas acredito que, no geral, deve partir da agência o interesse pelo artista.

Mas sendo o artista quem procura a agência, como identificar qual o momento certo? 

Jana: Se o DJ tem uma sonoridade que chame a atenção, originalidade e identidade, que tenha lançamentos em gravadoras de expressão com  suportes  de peso ou collabs com artistas reconhecidos no mercado e bom engajamento nas redes sociais, pode ser o momento certo. (risos)

Como surgiu a Jam Bookings?  

Jana: Comecei na carreira de Booker com um convite do Marcos Domingues (HOT BULLET), em 2013, para ser a Booker do projeto. Na época veio a calhar, porque um clube da região tinha acabado de me mandar embora (grávida!). Eu não tinha noção do que era esse mundo de agenciar artista. Era promotora de alguns clubes eletrônicos desde 2010 e 2012/2013 fiz alguns eventos menores na região.

Aprendi na marra, “googlando” e perguntando como fazia logística, contrato e etc. Só ouvi uma vez do Marc Ransson: “tá aí a nossa agenda, site para calcular e nosso valor de cachê. Quando algum contratante quiser contratar a gente, você segue com ele”. Com medo de perder o emprego, ia atrás e me virava (risos). Apanhei muito pra aprender!!

01 ano e meio depois, com média de 07 a 10 gigs mensais, eles receberam convite para ir para Plus Talent (quando ainda tinha o Alok). Fiquei sozinha, mas como o mercado me conhecia, tive um reconhecimento pelo pouco tempo de trabalho e não me deixaram desistir de tudo. Gustavo Vince, de São Paulo, me ligou no início de 2015 e disse: “tenho um DJ bom pra você vender, não vai desistir não, você é ótima no que faz” e me colocou em contato com Rocksted.

Meus primeiros DJs na época foram: ROCKSTED, MARCO VIOLENT, ADRIANO WHITE, BRUNO MATTOS,  HONKIE, TEKEN, ALEX SENNA e depois foi fluindo, com erros e acertos, ganhando e perdendo.

Sempre SOZINHA, sem apoio e sem ajuda de ninguém!! Era eu e os DJs “novos e pouco conhecidos” apanhando do mercado.

OBS.: Hoje sou Diretora de BOOKINGS da Plusnetwork (JAM + Plusnetwork = fusão) e faço parte recentemente do projeto (convidada) “IT’S Time Now”, criado pelo Ary Junior e Alexandre Olstan Menezes, onde nos reinventamos prestando assessoria e dando umas aulas, alguns módulos para DJs. Na pandemia virei professora (risos).

Quais artistas passaram pela sua agência?

Jana: Nossa… Vários!! Vou citar os que consegui ter um resultado melhor, ou seja, os que tiveram mais destaque no mercado comigo: HOT BULLET, ALEX SENNA, ROCKSTED, CLUBBERS, BREAKING BEATTZ, MOCHAKK e ALMANAC.

Uma dica para um artista e uma dica pra quem quer começar a trabalhar com bookings?

Jana: Primeiro eu diria muito amor pelo que faz e pela profissão. Depois, conhecer e entender a necessidade e como funciona o mercado. Em seguida o segredo principal: foco, determinação, networking, ser bem relacionado(a), HUMILDADE e principalmente muita paciência e persistência. 

E ter a consciência e maturidade de que o mercado é competitivo, nada fácil e todos nós pensamos ou pensaremos em desistir algum dia, pois o mercado do business é dureza (risos). Riscar as palavras “desistir” e “impossível” do seu dicionário. É isso!

CONECTE-SE COM A JANA MATHEUS: INSTAGRAM

E aí, curtiu entender mais sobre essa profissão dentro da cena eletrônica? Comente! E se você tem interesse em saber mais sobre outras profissões, fique de olho, pois semanalmente irei trazer convidados especiais, para você, querido leitor, ficar por dentro das vibez que rolam off the stage!