Off the Stage O que faz um Road Manager Cuca Pimentel explica 1
Off the Stage O que faz um Road Manager Cuca Pimentel explica 1

Off the Stage: O que faz um Road Manager? Cuca Pimentel explica!

A Off the stage conta sobre vida fora dos palcos de personalidades da indústria da música eletrônica, e nessa quarentena, vamos te apresentar quais os profissionais que fazem parte da equipe de um artista e todo processo até ele chegar no stage. 

Na entrevista de hoje, você vai entender melhor a função de um Road Manager e conhecer uma grande profissional deste setor. 

Já ouviu falar dessa profissão? Se ainda não ouviu, se liga na entrevista que fizemos com a Cuca Pimentel, Road Manager que acompanha alguns dos maiores artistas do mundo em suas vindas ao Brasil, e neste bate-papo ela abriu o jogo e contou pra Eletro Vibez mais sobre essa função.

Cuca, qual é a função de um Road Manager?   

Cuca Pimentel: Costumo dizer para quem nunca ouviu o termo Road Manager ou Tour Manager, que sou babá de DJ gringo (rs). Basicamente meu trabalho é acompanhar os DJs que vêm para o Brasil nas turnês, cuidando do bem-estar deles ou deles dentro e fora do palco. 

Cuido da logística, falando com motoristas, produtores e avisando o próprio DJ dos horários para que tudo corra dentro do previsto, sem atrasos ou voos perdidos. É uma correria danada, já cheguei a fazer 4 Estados em 24hs, mas eu amo demais esse trabalho e não troco por nada nessa vida.  

Há quanto tempo trabalha como Road Manager?  

Cuca Pimentel: Já estou nessa estrada faz 12 anos. Comecei meio sem saber o que era, não tínhamos ninguém para perguntar como fazer ou o que fazer. Aprendi na marra como muitos que começaram junto comigo, mas valeu a pena cada desespero. (rs) 

Com quais artistas você já trabalhou?   

Cuca Pimentel: Vish, aí a lista é bem grande! (rs) Tem alguns deles que já trabalho quase que exclusivamente, porque nos damos bem e criamos uma amizade, como o Dennis Cruz, The Black Madonna, Adriatique, Dekel, Art Department.  

Mas já tive a honra de trabalhar com Stephan Bodzin, Fatboy Slim, Carl Craig, Solomun, HOSH, Kungs, Kolsch, Blondish, Lehar, Carl Craig, Astrix, Lee Foss, Anabel Englund, Sharam Jey, Tale of Us, Purple Disco Machine, ARTBAT, Nora en Pure, Julia Govor, Amelie Lens, Joseph Capriati, Pawsa, Butch, Nervo, entre outros.  

Tive a honra de trabalhar também no Rock in Rio 2013 com George Benson, Donavon Frankenreiter e, ano passado, no festival Cena, sendo a Road Manager da equipe técnica do rapper Quavo e foi sensacional sair da minha zona de conforto! Gostei demais!  

E de onde surgiu a vontade de trabalhar na estrada?   

Cuca Pimentel: Na verdade eu caí nesse trabalho totalmente por acaso. Nunca nem tinha ouvido falar nessa função. Minha grande e querida amiga, Monique Dardenne, na época trabalhava na Carambola com o Du Serena e me mandou mensagem perguntando se eu não tinha como ajudá-la naquela noite na Tribe. 

Ela me perguntou se eu não topava ‘cuidar de um DJ’. Naquele tempo eu não tinha nem ideia do que seria isso, mas como nunca tive medo do novo, disse que sim. Afinal de contas, quem não curte um dinheirinho extra né? (rs) 

Pois bem, o DJ era Stephan Bodzin e eu simplesmente amei fazer o trabalho. Depois disso, ela me chamou mais algumas vezes, outros amigos começaram a me chamar também e assim foi até hoje. Sou muito grata a todos que me deram essa chance e confiaram/confiam no meu trabalho. Fico extremamente feliz e orgulhosa quando entrego uma turnê bem feita.  

Como funciona pra contratar você?   

Cuca Pimentel: Bem, eu sou terceirizada. Trabalho com várias agências daqui de São Paulo e de outros Estados também. Basicamente para me contratar é só entrar em contato comigo via celular para verificar se estou com as datas livres pro dia que a agência quer me contratar. Estando livres, eu já fecho as datas para não dar clash com outras que possam surgir. Sou pessoa jurídica, então facilita também na hora de emitir nota fiscal. 

E pra galera que tá curiosa, qual a maior qualidade que uma pessoa precisa para trabalhar como Road Manager?   

Cuca Pimentel: Bem, são várias!!!  Primeiro de tudo, responsabilidade e pontualidade. Não tem como querer trabalhar com isso sem ser responsável e pontual. A pessoa tem que entender que, por mais que esteja trabalhando com alguém que admira e é fã, você está ali para trabalhar e não para fazer amizade.

A amizade é consequência de um trabalho bem feito. Tivemos problemas no Rock in Rio justamente por conta disso, porque algumas pessoas que se propuseram a trabalhar estavam ali para tirar selfies e não é isso. Chegou na hora do ‘pega pra capar’ e não conseguiram segurar a onda e jogaram a toalha. Não podemos esquecer que o trabalho vem em primeiro lugar, SEMPRE!

Respeito, educação e humildade são essenciais para QUALQUER profissão, então para essa não seria diferente. Desde a pessoa que está na porta, os seguranças, atendentes de bar, pessoas da limpeza, até o dono, são todas pessoas que precisam ser respeitadas pois estão fazendo o trabalho deles tanto quanto você está fazendo o seu. Ninguém é melhor do que ninguém.

Paciência e proatividade também são essenciais, porque imprevistos sempre acontecem no meio do caminho e você terá que ter essas qualidades para tomar decisões rapidamente e que não comprometa toda a tour, porque atrapalhando um pequeno momento, o efeito cascata vem com tudo.

Muitas vezes estamos no meio de um festival imenso, como Tomorrowland, por exemplo, e a equipe é imensa, porque existem muitos DJs. Ou seja, você não pode ficar toda hora perguntando as coisas para quem está coordenando a equipe, porque existem outras pessoas também na correria. Pense em algumas saídas para o problema e pergunte qual delas a coordenação acha melhor e pronto. Se o problema for mais simples, resolva por si mesma. Geralmente eu já tenho essa liberdade por trabalhar com alguns DJs a mais tempo e já sei como eles são e o que preferem. Daí ajuda bastante.

Inglês fluente é fundamental, Se tiver mais uma terceira língua, melhor ainda.

Pulso firme para lidar com algumas pessoas que não respeitam limites, principalmente com fãs. Já tive muitos problemas com fãs muito animados e que se acham no direito de extrapolar. Muitas amigas que trabalham comigo dizem que sou muito paciente. (rs) Eu peço com educação na primeira e na segunda vez. Na terceira é sermão e mando tirar. Sei que é chato, mas tem gente que não tem ideia do significado da palavra limite e abusa da minha boa vontade. (rs)

E, obviamente, não podemos esquecer do bom e velho jogo de cintura. Lidamos com personalidades diferentes, gostos diferentes, estilos diferentes. Você tem que se adaptar para fazer com que o trabalho flua melhor, tanto para o DJ como para você. Diplomacia é tudo.

E já que estamos falando de desafios, quais os maiores dentro dessa profissão no seu ponto de vista? 

Cuca Pimentel: O sono! (rs)  É muito difícil ter tempo pra descansar numa tour. Como já disse acima, já fiz 4 estados em 24 horas, 5 dias/5 cidades, 4 dias/5 cidades. Quando tenho turnês assim, costumo dormir nos voos e no carro. Muitas vezes deixei de comer para poder dormir mais um pouquinho. Daí prefiro comprar algo no avião e comer um lanche lá para conseguir essas horinhas a mais.

Acho que além do sono, pra mim sempre é um grande desafio trabalhar com um DJ que nunca trabalhei. Sempre fico meio nervosa antes de começar a correria. Porque não sei qual sua personalidade e é preciso agir com muito tato nessas horas.

Muitas vezes o DJ é mais calado e não gosta muito de conversar, então é muito de feeling sabe? É você saber até onde pode ir sem cruzar limites e invadir a privacidade do outro. Mas são 12 anos nas costas, então agora consigo captar melhor esses sinais do que quando eu comecei. Já dizia aquele velho ditado: a prática leva a perfeição.  Ainda não cheguei lá, mas sei que estou no caminho certo.

CONECTE-SE COM A CUCA PIMENTEL: INSTAGRAM

E aí, curtiu entender mais sobre essa profissão dentro da cena eletrônica? Comente! E se você tem interesse em saber mais sobre outras profissões, fique de olho, pois semanalmente irei trazer convidados especiais, para você, querido leitor, ficar por dentro das vibez que rolam off the stage!