Off the stage O que faz um videomaker Leah Barylsky explica
Off the stage O que faz um videomaker Leah Barylsky explica

Off the stage: O que faz um videomaker? Leah Barylsky explica!

Nessa entrevista quis ir além, falar com uma mulher que através das filmagens me faz imaginar como o mundo é do outro lado, como valioso é o trabalho de quem mostra através do seu olhar uma versão daquilo que ainda não conheço: Uma cidade, uma festa, um passeio pelo mundo com uma câmera na mão e muita música.

No Off the Stage da vez, conheça Leah Barylsky, videomaker natural do Hawaii que tem registrado boa parte do material do RÜFÜS Du Sol, confira:

Leah, qual é o papel do videomaker?

Leah: Para mim é capturar um espaço no tempo. É capturar a essência de qualquer coisa que esteja apontando para a sua câmera, seja ela uma pessoa, um lugar, um momento ou um sentimento. 

Viajar com um artista, gravando cada momento, parece um sonho. Mas o que você diria que é a pior parte deste trabalho?

Leah: O sentimento de nunca ser capaz de acompanhar tudo que acontece enquanto estamos em tour. E estar sujeito a várias mudanças o tempo todo, entrando e saindo de hotéis, de ônibus e aeroportos, pouco tempo para dormir. Mas a pior parte desse trabalho é inerentemente a melhor parte também, que é viver muitas experiências diferentes em um único dia! Não existe nada como isso. 

Como você começou a trabalhar na indústria da música?

Leah: Foi definitivamente aos poucos. Eu sempre fui muito encantada com música e igualmente apaixonada por filmes. Eu não precisei pensar muito sobre isso, uma vez que eu comecei a ir a shows enquanto estava no colégio e na faculdade, eu sabia que filmar artistas se apresentando era o que eu queria fazer. 

Eu entrei em contato com o produtor de eventos de onde eu morava – Oahu, cidade onde eu cresci – e perguntei se ele teria alguma oportunidade para eu poder filmar os artistas durante os shows. No início eu comecei apenas editando os vídeos para os artistas no Instagram e Facebook. E eventualmente, após alguns meses editando esses vídeos, eu tive a chance de filmar o meu primeiro show. 

E após esse eu nunca mais parei, eu filmei todos os shows que eu fisicamente pude pelos próximos 2 anos até que me mudei para Los Angeles. Eu sabia que eu queria fazer vídeos envolvendo música, então o meu primeiro ano foi explorando esse território, e eu ainda continuo o explorando. haha

E quando seu trabalho começa durante uma turnê? As câmeras nunca são desligadas?

Leah: Eu realmente filmo o tempo todo, mas não existe uma fórmula ou receita pra mim. Eu ligo a minha câmera sempre que eu me sinto inspirada, porém coincidentemente isso acontece o tempo todo. haha Eu nunca desligo a câmera durante um show e eu sempre tenho pelo menos uma ou duas câmeras gravando ao mesmo tempo. Além dos shows, eu amo filmar os ensaios porque durante esses momentos eu tenho bastante liberdade para usar a minha criatividade.

De que obras você mais se orgulha?

Leah: Essa é uma pergunta bem difícil pra mim, porque olhando pra trás eu me considero orgulhosa de tudo que produzi de todos os jeitos e o que é mais bacana é que eu não acho que seria capaz de te responder dessa mesma forma se fosse há uns anos atrás. 

As que eu mais curto são “Capture A Space” e o “Is It Alive”. São combinações de trabalhos com momento pessoais meus que eu filmei durante os anos e são as obras que eu mais me dediquei. Elas são como cápsulas do tempo de momentos da minha vida e mostram como eu vejo o mundo e as pessoas ao meu redor. 

Is It Alive from Leah Barylsky on Vimeo.

capture a space here from Leah Barylsky on Vimeo.

Outra obra seria a “Solace Series” do Rüfüs Du Sol que eu tive a honra de ajudar a construir. Foi o mais longo e trabalhoso projeto eu eu já fiz. Eu gosto de pensar nessa série como um conjunto de cartas de amor para o Rüfüs. “Another Life”, o último episódio que lançamos é o que eu tenho mais perto do coração, porque mostra a beleza e a tristeza de deixar algo/alguém partir, um sentimento imenso que nós, como seres humanos, eventualmente vivemos. O episódio é acompanhado pela música “Another Life”, que é a última música do último álbum deles, “Solace”.

Another Life Ep. 9 Solace Series

Nomeie 2 vídeo clipes ou filmes que são uma referência para você:

Leah: “Victoria” de Sebastian Schipper é um ótimo filme que sempre me inspira. Ah! E todos os clipes do The Blaze. Pra mim eles são obras-primas.


Que dica você daria para quem quer começar a trabalhar com audiovisual?

Leah: Não tenha medo, mesmo que você ainda não saiba exatamente o que você quer nesse ramo. Aprenda de um jeito que funcione bem pra você, mas aprenda o máximo possível. 

Tente não se desencorajar pelas tecnicalidades desse mercado e confie que você será capaz de fazer algo não apenas único, mas necessário.

CONECTE-SE COM A LEAH BARYLSKY: INSTAGRAM

E aí, curtiu entender mais sobre essa profissão dentro da cena eletrônica? Comente! E se você tem interesse em saber mais sobre outras profissões, fique de olho, pois semanalmente irei trazer convidados especiais, para você, querido leitor, ficar por dentro das vibez que rolam off the stage!