Foto via redes sociais

Saindo da Curva: saiba quem é Jan Blomqvist e conheça o seu som

Última atualização:

Jan Blomqvist é um músico por natureza – sempre envolvido com a cena, mas foi nos anos 90 que ele começou a se apresentar em bandas com uma mistura de Punk, Hardcore, Britpop e Rock.  Sua música foi crescendo com o tempo, graças à experimentação crescente e diversificada de instrumentos eletrônicos e do que rolava nas rádios e na música clube da época. 

Ainda adolescente, ele se separou da banda e se mudou para Berlim, onde mergulhou no movimento Electro, estudando cada artista, DJ e personagem que encontrava. Jan juntou-se a equipes inspiradoras como as do Bar25, que não apenas o expuseram à sua política de visão de futuro, mas foram inspiradas pela paixão de Jan e sua visão de mundo única – e o contrataram para sua agência. 

Sua carreira na música eletrônica começou em 2011 com o lançamento de um remake de “Big Jet Plane”; em 2014, lançou uma de suas músicas mais icônicas, “Time Again”, que em 2021 veio a receber uma nova versão em collab com a DJ ucraniana Korolova. Em 2016, assinou com a Armada Music por onde lançou muitos sons expressivos, entre eles, a track “More” e “Empty Floor“, que perduram em seus sets até os dias de hoje!

Algum tempo depois, ele reformou sua antiga banda e começou a aperfeiçoar suas apresentações em um formato super compacto com apenas alguns sintetizadores e controladores que trariam uma presença de palco com atmosfera de show de Rock para os clubes, o que resultou em live performances que nos deixam boquiabertos. 

O objetivo da minha arte, se você pode chamá-la de arte, é fazer as pessoas quererem chorar e rir ao mesmo tempo. Eu sempre os provoco com algumas melodias melancólicas e cuidadosamente os trago de volta a um sorriso. Eu também faço com que seja dançável com baixos e graves. A música é um House que gira em torno de 120 bpm, mas é descolada”, comentou Jan em entrevista ao Aught Mag.

O som de Jan Blomqvist é inconfundível, afinal, ele é quem produz os vocais, e tem a companhia de baterias eletrônicas, sintetizadores e aquelas vibez melódicas e acordes profundos que trazem melancolia. Um som que vai tocar na sua alma, diferente de tudo que vemos e ouvimos atualmente.

Sua apresentação em 2016 no Burning Man fez com que seu nome e seu projeto girassem o mundo todo, levando suas live performances para os mais diversos festivais undergrounds. Quer saber mais? Confira esse set disponível no YouTube.

O que ele toca?

Deep House, Indie Dance e Melodic House & Techno

Top 3 tracks:

Set mais cheio de vibez: