entrevista vibez indica reezer
Na foto: Reezer via divulgação

#VibezIndica: Reezer

Última atualização:

Rodrigo Ribeiro Rique a.k.a. Reezer nasceu em Miami, mas foi no Brasil que cresceu e se profissionalizou na cena da música eletrônica. Com um som melódico e progressivo, você que curte, precisa acompanhar! Leia a matéria e conheça mais sobre a história toda neste #VibezIndica!

O que te influenciou a entrar no universo da música eletrônica? 

Reezer: Minha relação com a música é bem antiga. Eu tinha banda na escola, a gente tocava Punk Rock e eu era o guitarrista! A banda acabou, comecei a escutar muita música eletrônica e me interessar por isso, então decidi fazer um curso de DJ, isso a mais de 8 anos atrás. Comecei a tocar em festas de amigos e fui aos poucos ganhando oportunidades profissionais. 

Você fez algum curso para aprender a produzir ou foi na base da força de vontade, com tutoriais de Youtube e dicas de amigos? 

Reezer: Aprendi fazendo alguns cursos online e também com alguns tutoriais do Youtube. Além disso, aprendi muito trabalhando com outros produtores presencialmente, que é um processo com muita troca de informações. Alguns exemplos foram quando fiz uma colaboração com o Antdot e ele veio para o Rio e trabalhamos no meu estúdio juntos, e também quando trabalhei com o Adam K em um estúdio em São Paulo. Mas como o som está sempre mudando, estou sempre tentando aprender algo novo para me adaptar. 

Como e quando surgiu? 

Reezer: Criei meu primeiro projeto chamado RIQU3 em 2012, quando comecei a tocar em festas de amigos e depois em eventos. Na época, ainda era um hobby e eu estava levando junto com a faculdade. Mas foi o suficiente para me mostrar que aquilo de fato era o que eu amava fazer. Assim, com o tempo decidi reformular o projeto, para lançar minha primeira track, e mudei o nome para Reezer. Isso foi a transição para que o projeto se tornasse mais profissional e se posicionasse melhor no mercado. 

Referências musicais e artistas que te inspiram? 

Reezer: A maioria das minhas referências musicais são de fora do Brasil. O Camelphat certamente é minha maior referência, e, além deles, Meduza, Ben Böhmer, Cassian, Lane 8 e Tinlicker. 

Como você definiria o som que você produz? 

Reezer: Definiria meu som como Progressive e Melodic House. Busco sempre tentar manter uma certa identidade no meu som, para formar um estilo que tenha cada vez mais a minha cara. 

Como funciona seu processo criativo? 

Reezer: Sempre tive mais produtividade a noite, então geralmente de madrugada é a hora que eu mais gosto de produzir. Várias vezes começo uma música com um vocal e a partir daí crio os acordes e a ideia inicial, mas não tem regra. As vezes posso começar pelo drop também, mas depende muito da track.

Gosto de sempre tentar combinar elementos de diversas referências junto com meu estilo para criar algo novo. Estou sempre buscando fazer algo diferente do que os outros produtores estão fazendo, e essa combinação com várias referências diferentes é o que me leva nesse caminho.

Qual o seu setup de produção? 

Reezer: Ableton Live, Macbook Pro, Interface de Audio RME babyface, AKAI MPK61 e um par de KRK Rokit 8. 

Durante seu set, é possível ouvir quais tipos de músicas? 

Reezer: Ao elaborar um set, sempre analiso o local e o público e tento criar uma união da minha identidade junto com o público-alvo do local, de forma que a pista esteja sempre aquecida mas sempre mantendo a minha linha de som. Dessa forma, tento sempre manter a linha do Progressive e Melodic House nos meus sets, as vezes com algumas tracks de House. 

Cite algo que você ama/admira na música eletrônica ou algo que ela mudou na sua vida: 

Reezer: Amo o fato da música eletrônica ser uma forma de eu poder transmitir meus sentimentos para as  pessoas, seja através das minhas músicas ou dos meus sets. Sentir a pista reagindo ao meu som é uma sensação indescritível, que dificilmente eu sentiria de outra forma, então poder trabalhar com isso me deixa muito feliz. 

Indique suas duas produções próprias favoritas: 

Reezer: Shining Soul, com o Meca e a Who Do You Love, com a Kyra Mastro. 

Quais são outros 3 artistas brasileiros que se assemelham ao seu estilo de produção e a galera precisa ficar de olho? 

Reezer: Fancy Inc, Antdot e Different Stage. 

Tem alguma novidade extra ou algo que o público deva saber de você? 

Reezer: Já estou preparando a gravação do quinto set do Chasing Views, que é um projeto que eu gravo sets em visuais bonitos. Comecei o projeto no meio da Pandemia, sentindo muita saudade dos shows e querendo criar algum tipo de conteúdo diferente. Sempre gostei muito da natureza e a ideia era juntar essa paixão com meu som. Criei o projeto como uma oportunidade para mostrar para quem me acompanha escutar minha real identidade sonora, sem se limitar a certo público ou evento e eu ter essa liberdade musical.

CONTINUE CONECTADO COM O REEZER POR AÍ: INSTAGRAM | SPOTIFY