david-guetta-morten-future-rave-ep
Na foto: Morten e David Guetta

Future Rave é o Progressive House Big Room com uma nova roupagem?

Em recente entrevista ao portal GritDaily, o DJ e produtor Morten, a segunda mente que, com David Guetta, deu vida ao que se chama hoje por Future Rave, disse sobre o que é essa sonoridade:

É algo novo, é algo nosso (meu e de David). Queríamos encontrar um caminho que fosse autoral e que nos desse a sensação de pertencimento e foi por isso que o Future Rave surgiu”.

Com esse entendimento, abrimos mais uma edição do Vibez Debate!

Antes de elevar o papo em busca de responder a questão que intitula esse material, é preciso retroceder até o meio de Junho deste ano que já se encerra. David Guetta e Morten lançavam um EP com altíssimo poder de revolução – o New Rave.

Com 4 faixas, o material foi extensivamente comentado e, em entrevista ao site EDM.com, eles detalharam sobre o que se tratava aquele material. Na resposta que mais chamou a atenção deste que vos escreve, Morten disse:

Fomos nós que inventamos esse som, não há dúvida disso. Não havia esse som antes de começarmos a fazer esse som. Para mim, é a melhor música que já ouvi. E temos muito mais”.

De fato, eles tinham muito mais a dar. Apesar do sucesso impressionante de “Kill Me Slow”, todo o EP e suas faixas foram intensamente celebradas e ouvidas.

Não à toa, o pós lançamento foi com mais material de remix e autorais sendo construídas com base no Future Rave. Mais recentemente, remixes para “Let’s Love”, novidade de Guetta com Sia, e um iminente remix para a lendária “Play Hard”, com seus mais de um bilhão de views, mostram que o número 1 do planeta, que retomou esse posto muito por conta da reinvenção de carreira promovida por meio do Future Rave, quer ir além e estabelecer a sonoridade como uma vertente. 

Future Rave, um estilo

Batizado assim pelo universo executivo da música eletrônica, esse mix de elementos progressivos, drops marcantes, vocais melódicos e construções similares aos sons undergrounds, o Future Rave de David Guetta e Morten vem se tornando a sonoridade mais excitante da nova era da música eletrônica, mas: seria esse o princípio de um nova roupagem ao Progressive House? A resposta é não. Mas também pode ser sim. Confuso? Vem comigo.

O Future Rave tem uma característica bem comum entre grandes DJs do French House, que é o uso de sintetizadores. Assim como o Future House e o Future Bass, o Future Rave busca, em sua nomenclatura, prever uma tendência sonora, tendência que ainda está sendo inserida de forma tímida por artistas como Nicky Romero, DubVision, John Dahlbäck e Dada Life em suas produções.

Dessa forma, e nas palavras de Morten e Guetta, o redator inferiu que, de fato, tratamos de algo único, ímpar e muito particular. Com inspirações bastante óbvias, mas distante o suficiente para ser chamado de novo. Uma nova identidade de produção que, com o tempo e com mais exemplos, terá estofo o suficiente para se estabelecer como uma verdadeira e concreta vertente de música eletrônica.

MAS

Há como observar a discussão por um outro prisma. Para tal, convidamos Lorena Sá, fundadora e CEO da Eletro Vibez para que ela pudesse expor seu entendimento em relação ao Future Rave como uma nova roupagem ao Progressive House.

O que era Progressive House se misturou com Big Room. Se misturou, também, com o House cheio de vocais e deu espaço a novas subvertentes com elementos dos mais distintos gêneros musicais. A mistura, que tanto foi aclamada em meados de 2010, perdeu força devido a ascensão de novos sons. Mas o toque de Future Rave, que David Guetta insere em suas produções, é a esperança de reviver essa sonoridade, de forma atualizada ao momento que vivemos”.

A abordagem faz sentido, também, ao observar o mercado. De Dada Life ao novíssimo HEADER, sobrinho de Guetta, ou mesmo com Nicky Romero, o Future Rave já é uma forma de trabalho que vem se consolidando e que conquista adeptos dia a dia.

Com o iminente retorno da agenda de evento, há que se observar o desempenho em pista do Future Rave, mas não há chances muito importantes de ser algo a menos que um sucesso.

Agora, é tua vez de determinar. Nova roupagem? Nova sonoridade? Há, no entanto, algo que é unanimidade entre todos nós, que produzimos conteúdo, ouvimos músicas e analisamos a situação: o Future Rave altera completamente o caminho que a EDM passa a trilhar de agora em diante. Não apenas por ele, mas pela evidência de que há espaço – e demanda- para o novo. Cada vez mais. E que bom que esse movimento já está em pleno curso.

Se você curtiu essa matéria, aproveite e siga nossa playlist dedicada ao Future Rave!